Carregando Eventos

« Todos Eventos

  • Este evento já passou.

Defesa de tese de doutorado — Gabriela Trindade de Souza e Silva

dezembro 1 @ 09:00 - 13:00

Defesa de Tese de Doutorado

Gabriela Trindade de Souza e Silva

Desenvolvimento de extrato seco de gengibre amargo [Zingiber zerumbet (L.) Smith (Zingiberaceae)]

Local: Auditório da FCF

Presidente
Prof. Dr. Paulo Cesar Pires Rosa — FCF / Unicamp

Membros titulares
Profª Drª Alexandra Christine Helena Frankland Sawaya — FCF / Unicamp
Prof. Dr. Rodney Alexandre Ferreira Rodrigues — CPQBA / Unicamp
Profª Drª Patricia de Oliveira Carvalho — USF
Prof. Dr. Luiz Elidio Gregório — ICAQF / Unifesp

Membros suplentes
Profª Drª Laura de Oliveira Nascimento — FCF / Unicamp
Prof. Dr. André Gonzaga dos Santos — FCF / Unesp
Profª Drª Cristiana Maria Pedroso Yoshida — ICAQF / Unifesp

Resumo: O gengibre amargo [Zingiber zerumbet L. Smith (Zingiberaceae)] é uma espécie adotada na terapêutica de medicinas tradicionais, e a ele são atribuídas diferentes atividades biológicas (anti-inflamatória, antimicrobiana, anestésica, hipoglicemiante, etc.). Tendo em vista a potencialidade desta espécie para se tornar um insumo farmacêutico ativo vegetal (IFAV), o presente trabalho visou desenvolvimento de um extrato seco, pela seleção do excipiente mais adequado e otimização das condições de secagem por spray dryer. Os rizomas liofilizados e moídos foram caracterizados quanto à granulometria, teor de água, teor de voláteis e teor de zerumbona (ZER), sendo o sesquiterpeno eleito como marcador. Em seguida foi obtido um extrato líquido (etanol absoluto), e seco por spray dryer. Visto as dificuldades do processo, foi feito um estudo de compatibilidade extrato-excipiente para a seleção do excipiente mais adequado para a obtenção do extrato seco. Para isso, foram feitas misturas binárias que foram incubadas (50 °C / 30 dias), que foram avaliadas por meio de diferentes técnicas (DSC, TGA e FTIR e a quantificação de ZER). Dois excipientes que exibiram desempenhos favoráveis: Hidroxipropil-β-ciclodextrina (HPBCD) e Polivinilpirrolidona K-30 (PVP K-30). Com os excipientes selecionados, o processo de secagem por aspersão também foi aprimorado, por meio de planejamento experimental completo (3²). A condição que favoreceu o melhor rendimento e retenção de ZER no extrato seco final foi aquela que empregou a temperatura de entrada de 140 ºC, 100% de aspiração e HPBCD como melhor excipiente. A proporção de excipiente em relação ao resíduo seco também foi estudada, sendo observado que técnica aplicada para a determinação do resíduo seco do extrato líquido teve grande impacto nas características do extrato seco. Por fim, foram obtidos quatro extratos secos: EXT1 com 5 partes de HPBCD para 2 partes de resíduo seco determinado por estufa 105 °C; e três extratos com resíduo seco determinado por secagem à vácuo: o EXT 2 com 5 partes HPBCD para 2 de resíduo seco, EXT3 5:1, e o EXT4 9:1. Os quatro extratos apresentaram os mesmos compostos presentes no extrato líquido (terpenos e flavonoides), porém em concentrações diferentes de ZER. Apesar do EXT1 apresentar maior concentração de ZER, foi o extrato com menor retenção do marcador contido no extrato líquido (33 %), e menor solubilidade. O EXT 4 apresentou menor teor de ZER, porém maior retenção (81 %), e maior solubilidade em água. Esta pesquisa permitiu o desenvolvimento e obtenção de um IFAV sólido de gengibre amargo, favorecendo a solubilidade do marcador ZER em água, possibilitando sua incorporação em futuras formas farmacêuticas, uma vez que sua atividade biológica evidencia um grande potencial terapêutico.

Detalhes

Data:
dezembro 1
Hora:
09:00 - 13:00
Categorias de Evento:
, ,

Local

Auditório da FCF
Rua Candido Portinari 200
Campinas, São Paulo 13083-871 Brasil
+ Google Map